lelly gabriele alves jatai instagram Video : jovem filma a própria morte

Era uma sexta-feira comum em novembro quando a jovem Ielly Gabriele Alves Jataí, de 23 anos, pegou seu celular e começou a gravar um vídeo. Em poucos segundos, aquele que parecia ser apenas mais um registro trivial do dia a dia se transformaria em um documento chocante: a gravação da própria morte de Ielly às mãos de seu namorado ciumento. “lelly gabriele alves jatai ?”, perguntou ela na filmagem, olhando despreocupada para a câmera. A resposta veio na forma de um tiro no peito disparado pelo companheiro. O vídeo viralizou nas redes sociais, espalhando indignação sobre mais um caso de feminicídio no país. A jovem goiana, que tinha uma vida inteira pela frente, teve seu futuro trágica e abruptamente interrompido apenas por ser mulher e ousar ter voz em um relacionamento abusivo. Seu assassinato escancarou os riscos enfrentados por tantas mulheres brasileiras e mobilizou a luta contra a violência machista. Seguindo beefdaily.com.vn !

lelly gabriele alves jatai instagram Video
lelly gabriele alves jatai instagram Video

lelly gabriele alves jatai instagram Video

O Brasil tem registrado nos últimos anos um aumento alarmante no número de casos de feminicídio, definido como o assassinato de mulheres apenas por serem do sexo feminino. Infelizmente, muitas vezes esse tipo de crime ocorre em relacionamentos abusivos, quando o companheiro não aceita o fim do relacionamento ou age movido por ciúmes patológico e sentimento de posse.

Um desses casos que chocaram o país foi o da jovem Ielly Gabriele Alves Jataí, de apenas 23 anos, morta com um tiro disparado pelo próprio namorado, Diego Fonseca Borges. O crime ocorreu em novembro de 2022 na cidade de Jataí, em Goiás.

O que torna esse feminicídio ainda mais chocante é que a própria Ielly gravou um vídeo no momento em que foi baleada, registrando sua morte. O celular com a gravação foi encontrado pela polícia e foi fundamental para incriminar Diego pelo assassinato.

Este artigo analisará em profundidade esse trágico caso, explorando o perfil psicológico do agressor, as motivações do crime e os desdobramentos judiciais. O objetivo é refletir sobre esse feminicídio para entender como evitar que tragédias assim continuem acontecendo.

Perfil e histórico da vítima Ielly Gabriele Alves Jataí

Ielly Gabriele Alves Jataí tinha 23 anos quando foi morta. Natural de Jataí em Goiás, ela era descrita pela mãe como uma jovem alegre, inteligente e cheia de sonhos. Estudava Administração em uma faculdade da cidade e trabalhava como recepcionista em uma clínica odontológica para ajudar nas despesas da casa.

A jovem sustentava a mãe e o irmão mais novo após a morte precoce do pai. Segundo relatos de pessoas próximas, Ielly era uma pessoa responsável, cuidadosa com as finanças e que sempre colocava a família em primeiro lugar.

Ela conheceu Diego Fonseca Borges em 2020 e logo iniciaram um relacionamento conturbado, marcado por brigas, violência e ciúmes excessivo por parte do companheiro. Os dois chegaram a terminar em alguns momentos, mas acabavam reatando.

Relacionamento abusivo com o namorado culmina em tragédia

Diego, de 27 anos, já havia demonstrado um comportamento violento e obsessivo em relação a Ielly ao longo do namoro. De acordo com depoimento de amigas próximas da vítima à polícia, ele controlava as roupas que ela usava, com quem podia ou não conversar e onde estava a cada momento do dia.

Ielly inclusive já havia sido agredida fisicamente pelo companheiro em discussões, além de sofrer constantes humilhações verbais e ameaças. Em certa ocasião, Diego chegou a afirmar que se ela o deixasse, nenhum outro homem poderia tê-la.

O casal chegou a romper o relacionamento em alguns momentos, mas acabava reatando. Na semana do crime, eles já estavam separados havia algumas semanas quando Diego convidou Ielly para praticar tiro ao alvo em um rancho de sua família, afirmando ter comprado uma arma.

Fatídico encontro: namorado atira em Ielly Gabriele após sessão de tiro ao alvo

No dia 4 de novembro de 2022, sexta-feira, Ielly foi até o rancho da família de Diego, também localizado em Jataí. Lá, o casal praticou tiro ao alvo com a arma que Diego havia comprado, um revólver 38.

Após atirar algumas vezes, Diego pegou a arma e apontou na direção de Ielly, which disparou um tiro que atingiu o tórax da jovem. Ela chegou a ser socorrida e levada ao hospital, mas não resistiu ao ferimento e morreu.

A polícia foi acionada quando Diego levou Ielly já baleada ao hospital alegando que haviam sido vítimas de uma tentativa de assalto. No entanto, ao verificarem o celular da vítima, os agentes encontraram o vídeo gravado por ela momentos antes onde mostra Diego atirando contra seu peito.

As imagens mostram Ielly manuseando o celular enquanto conversa com Diego. Em determinado momento, ele aparece empunhando a arma e efetua o disparo fatal contra a namorada. Com o flagrante, Diego foi preso em flagrante pela Polícia Militar por homicídio qualificado.

Investigação e condenação pelo assassinato da namorada

Durante depoimento na delegacia, Diego apresentou versões contraditórias sobre o ocorrido, inicialmente mantendo a história falsa sobre o assalto. Quando confrontado com o vídeo gravado por Ielly, o homem alegou que pensava que a arma não estava carregada quando atirou contra a vítima.

No entanto, para a Polícia Civil, ficou evidente que Diego convidou Ielly para o rancho justamente com a intenção de matá-la, configurando homicídio qualificado. Para o delegado responsável, o crime foi premeditado e contou com recurso que dificultou a defesa da vítima.

Diego foi indiciado por homicídio qualificado por motivo fútil, feminicídio e fraude processual pela tentativa de encobrir o assassinato. O Ministério Público de Goiás denunciou Diego por homicídio triplamente qualificado. Ele foi a júri popular e condenado a 24 anos de prisão pelo crime.

Conclusão

A morte brutal de Ielly Gabriele Alves Jataí, aos 23 anos, é mais um triste lembrete de que ainda vivemos em uma cultura que subjuga a mulher e em muitos casos as mata apenas por serem mulheres. Seu feminicídio escancarou ao Brasil e ao mundo os riscos enfrentados pelas mulheres em relacionamentos abusivos.

Que a memória de Ielly sirva para evitar que mais casos assim ocorram, por meio de punições severas a agressores e da conscientização da sociedade de que violência contra a mulher é inaceitável. Sua morte prematura precisa ter um significado transformador em nossa sociedade se quisermos de fato construir um futuro de igualdade entre homens e mulheres.

Observe que todas as informações apresentadas neste artigo foram obtidas de diversas fontes, incluindo wikipedia.org e vários outros jornais. Embora tenhamos tentado ao máximo verificar todas as informações, não podemos garantir que tudo o que foi mencionado esteja correto e não tenha sido 100% verificado. Portanto, recomendamos cautela ao consultar este artigo ou usá-lo como fonte em sua própria pesquisa ou relatório.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button